• +351 231 419 550
  • Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Noticias

  • Entre 17 e 20 de setembro de 2018, a AD ELO organizou uma visita técnica à Finlândia no âmbito de um projeto de cooperação europeu, que envolve associações de cinco países: Portugal, Finlândia, Estónia, Letónia e Itália.

    “Economia Circular nos Territórios Rurais” foi o tema da visita técnica que teve como objetivo principal a criação de uma rede de troca de experiências e conhecimento sobre as boas práticas, produtos e serviços relacionados com a valorização do modelo de economia circular e de territórios rurais sustentáveis. A comitiva da AD ELO foi composta por presidentes e outros membros dos Municípios de Cantanhede, Figueira da Foz, Mealhada, Mira, Montemor-o-Velho e Penacova.  A comitiva da AD ELO, de forma participativa e empenhada, contactou com projetos, empresas e experiências concretas onde as questões de sustentabilidade e aproveitamento dos recursos locais estiveram sempre em destaque. O momento foi ainda aproveitado para se estabelecer contactos institucionais entre diferentes municípios, associações e empresas que estreitaram as relações entre os vários países envolvidos.   Sendo a primeira visita integrada neste projeto, esta ação permitiu encontrar pistas para uma melhor compreensão da sustentabilidade dos territórios rurais assente em boas práticas de valorização ambiental. Por essa razão, foram assim perspetivadas ações futuras que os diversos territórios parceiros vão poder desenvolver e que passam pelo incentivo a que as instituições e as empresas usem cada vez mais uma abordagem de economia circular no seu ciclo de trabalho, produção e comercialização.

  • COOPERAÇÃO: PROCURA DE PARCEIROS

    O processo de candidatura ao instrumento regulamentar Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC), dirigido às comunidades rurais, levou ao reconhecimento do GAL: AD ELO - Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego, como entidade Gestora do DLBC/Rural LEADER AD ELO para a implementação da Estratégia de Desenvolvimento Local (EDL) no território de intervenção que integra os seguintes concelhos: Cantanhede (totalidade das freguesias) Mira (totalidade das freguesias) Mealhada (totalidade das freguesias) Montemor-o-Velho (totalidade das freguesias) Penacova (totalidade das freguesias) Figueira da Foz (todas as freguesias com a exceção de Buarcos, Tavarede e São Pedro). A EDL abrangida pelo DLBC/Rural - LEADER AD ELO, com apoio do "Portugal 2020" nomeadamente dos Programas Operacionais - PDR2020 e Centro 2020, preconiza para o território a concretização dos seguintes objetivos principais: Contribuir para a criação sustentável de emprego e de uma cultura empresarial de base local Promover a gestão sustentável do território valorizando os recursos endógenos e fortalecendo laços de identidade local   A implementação da estratégia da AD ELO concretiza-se através da realização de ações de apoio ao investimento no território complementada com ações de cooperação, internacionalização e abertura ao exterior que é necessariamente um prolongamento e complemento das opções estratégicas assumidas à escala local. A opção estratégica da AD ELO em torno da abertura ao exterior, onde a internacionalização da economia é apenas uma vertente, é necessariamente o prolongamento da perspetiva que os mercados só se entendem numa visão global. Sendo um desígnio nacional, a cooperação no quadro de uma intervenção territorial DLBC, deve ser entendida como o espaço para consolidar e projetar as ações que localmente fazem sentido, centrando-se nos seguintes objetivos e dimensões de intervenção: Alargamento a novos mercados; Transferência do saber fazer e das experiências inovadoras; Estabelecimento de redes de distribuição; Criação de serviços/produtos comuns entre diferentes agentes; Criação de mecanismos de formação/informação de âmbito transnacional; Valorização dos recursos locais.   O projetos de cooperação a desenvolver pela AD ELO no quadro do atual período de programação, devem enquadrar-se de forma geral numa, ou em várias, das seguintes linhas temáticas prioritárias: Circuitos Curtos/ Promoção e Comercialização; apoiar a organização da produção e a comercialização; Internacionalização recursos/serviços/produtos/territórios; apoiar o aprofundamento do intercâmbio económico de produtos e serviços, o reforço da identidade e cultura portuguesa num contexto de globalização promovendo a transferibilidade de conhecimentos e práticas (com a Europa e com os países da comunidade de língua portuguesa); Promoção e valorização: desenvolver ações nas áreas do empreendedorismo, cultura local, produtos locais, qualificação, marketing institucional; Sustentabilidade dos territórios: promover uma cultura de responsabilidade ecológica. Neste sentido a AD ELO encontra-se disponível para a concretização de projetos que se inscrevam na sua EDL e que contribuam para os objetivos previstos. Está assim à procura de parceiros para futuros projetos transnacionais que reúnam as seguintes características: GAL europeus reconhecidos dentro da mesma abordagem DLBC; GAL que tenham características, ideias de projetos e abordagens inovadoras nas áreas temáticas identificadas; GAL com territórios que assumam características diferenciadoras e complementares e que assim possam contribuir para construção de um plano enriquecedor de troca de experiências.   Qualquer manifestação de interesse deverá ser remetida para os contactos da Associação.  

  • ABERTURA DE PERÍODO DE APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

    Integrado no processo de implementação do DLBC/Rural - LEADER AD ELO, a AD ELO informa que procedeu à abertura, a partir de 12 de dezembro de 2017, de cinco avisos de concurso referentes às seguintes tipologias de apoio: N.º 002/AD ELO/10211/2017: PEQUENOS INVESTIMENTOS NA EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA (ENCERRADO a 31 Janeiro 2018) N.º 002/AD ELO/10212/2017: PEQUENOS INVESTIMENTOS NA TRANSFORMAÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS (ENCERRADO a 31 Janeiro 2018) N.º 002/AD ELO/10213/2017: DIVERSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES NA EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA (ENCERRADO a 31 Janeiro 2018) N.º 001/AD ELO/10214/2017: CADEIAS CURTAS E MERCADOS LOCAIS (ENCERRADO a 28 Março 2018) N.º 001/AD ELO/10215/2017: PROMOÇÃO DE PRODUTOS DE QUALIDADE LOCAIS (ENCERRADO a 28 Março 2018).

    Estes cinco avisos têm uma dotação orçamental comunitária de mais de 1,2 milhões de euros podendo, por sua vez, alavancar um investimento superior a 2,5 mihões de euros. Cada aviso responde a um tipologia específica de projetos, que no seu todo permitirão ir ao encontro dos objetivos inerentes ao DLBC/Rural - LEADER AD ELO, nomeadamente: Contribuir para a criação sustentável de emprego e de uma cultura empresarial de base local; Promover a gestão sustentável do território valorizando os recursos endógenos e fortalecendo laços de identidade local. É importante sublinhar que o instrumento regulamentar - Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC), dirigido às comunidades rurais, é gerido AD ELO, para a implementação da Estratégia de Desenvolvimento Local no território de intervenção que integra os seguintes concelhos: Cantanhede (totalidade das freguesias) Mira (totalidade das freguesias) Mealhada (totalidade das freguesias) Montemor-o-Velho (totalidade das freguesias) Penacova (totalidade das freguesias) Figueira da Foz (todas as freguesias com a exceção de Buarcos e São Julião, Tavarede e São Pedro).

    As candidaturas são realizadas eletronicamente na plataforma / balcão do beneficiário PDR 2020 (http://www.pdr-2020.pt) sendo necessário proceder aos registos prévios enquanto beneficiário da entidade que submeterá a candidatura. Para a elaboração das candidaturas é importante consultar o site da AD ELO (http://www.adelo.pt), onde poderão ser obtidas todas as informações necessárias à preparação dos projetos.


    Cantanhede, 12 de dezembro de 2017

  • Abertura de período de apresentação de candidaturas

     O processo de candidatura ao instrumento regulamentar Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC), dirigido às comunidades rurais, levou ao reconhecimento do GAL: AD ELO - Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego, como entidade Gestora do DLBC/Rural LEADER AD ELO para a implementação da Estratégia de Desenvolvimento Local (EDL) no território de intervenção que integra os seguintes concelhos: Cantanhede (totalidade das freguesias) Mira (totalidade das freguesias) Mealhada (totalidade das freguesias) Montemor-o-Velho (totalidade das freguesias) Penacova (totalidade das freguesias) Figueira da Foz (todas as freguesias com a exceção de Buarcos, Tavarede e São Pedro).

    A EDL abrangida pelo DLBC/Rural - LEADER AD ELO, com apoio do "Portugal 2020" nomeadamente dos Programas Operacionais - PDR2020 e Centro 2020, preconiza para o território a concretização dos seguintes objetivos principais: Contribuir para a criação sustentável de emprego e de uma cultura empresarial de base local Promover a gestão sustentável do território valorizando os recursos endógenos e fortalecendo laços de identidade local.

    No processo de implementação do DLBC/Rural - LEADER AD ELO procedemos à abertura (entre 22 de novembro de 2016 e 20 de janeiro de 2017) de um "anúncio de abertura de candidaturas" referente à seguinte tipologia de apoio: N.º 001 / AD ELO/ 10216 / 2016 Renovação de aldeias. Este aviso tem uma dotação orçamental de 275.028,00 EUR de apoio público que podem alavancar mais de 550 mil euros de investimento, destinados a projetos que tenham como objetivo principal preservar, conservar e valorizar os elementos patrimoniais locais, paisagísticos e ambientais, e reúnam as seguintes condições: Sejam investimentos em recuperação e beneficiação do património local, paisagístico e ambiental de interesse coletivo; Os projetos devem abranger elementos patrimoniais relevantes do território, sendo elegível a sua recuperação, valorização, incluindo o seu apetrechamento e sinalética; Podem ainda incluir ações de divulgação e valorização através de edição de material promocional e ações de sensibilização; Devem incluir um plano de ação/intervenção por um período de 3 anos onde se evidencie as atividades, sua programação e sustentabilidade; O projeto deve ser apresentado pela entidade que demonstre ser detentora, a qualquer título, do património objeto do pedido de apoio; Podem apresentar projeto no âmbito deste aviso as seguintes entidades: Pessoas singulares ou coletivas de direito privado; Autarquias locais e suas associações; Outras pessoas coletivas públicas; o Grupo de Ação Local; Os projetos têm que ter um custo total elegível igual ou superior a 5.000 euros e inferior ou igual a 200.000 euros;

    Os investimentos elegíveis têm que ser realizados após a data de apresentação da candidatura. As candidaturas são realizadas eletronicamente na plataforma / balcão do beneficiário PDR 2020 http://www.pdr-2020.pt/ sendo necessário proceder aos registos prévios enquanto beneficiário da entidade que submeterá a candidatura. Para a elaboração das candidaturas é importante consultar o site da AD ELO www.adelo.pt, onde poderão ser obtidas todas as informações necessárias à preparação dos projetos.


    Cantanhede, 22 de novembro de 2016

  • Abertura de Período de Apresentação de Candidaturas

    O processo de candidatura ao instrumento regulamentar Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC), dirigido às comunidades rurais, levou ao reconhecimento do GAL: AD ELO - Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego, como entidade Gestora do DLBC/Rural LEADER AD ELO para a implementação da Estratégia de Desenvolvimento Local (EDL) no território de intervenção que integra os seguintes concelhos: Cantanhede (totalidade das freguesias) Mira (totalidade das freguesias) Mealhada (totalidade das freguesias) Montemor-o-Velho (totalidade das freguesias) Penacova (totalidade das freguesias) Figueira da Foz (todas as freguesias com a exceção de Buarcos, Tavarede e São Pedro).

    A EDL abrangida pelo DLBC/Rural - LEADER AD ELO, com apoio do "Portugal 2020" nomeadamente dos Programas Operacionais - PDR2020 e Centro 2020, preconiza para o território a concretização dos seguintes objetivos principais: Contribuir para a criação sustentável de emprego e de uma cultura empresarial de base local Promover a gestão sustentável do território valorizando os recursos endógenos e fortalecendo laços de identidade local   No processo de implementação do DLBC/Rural - LEADER AD ELO procedemos à abertura (entre 27 de outubro e 22 de dezembro de 2016) de um "anúncio de abertura de candidaturas" referente à seguinte tipologia de apoio: Nº 001/AD ELO/10213/2016: 10.2.1.3 - Diversificação de atividades na exploração agrícola. 

    Este aviso tem uma dotação orçamental de 262.500,00 EUR de apoio público que podem alavancar mais de 656.000 mil euros de investimento, destinados a projetos que tenham as seguintes condições: Os beneficiários terão que ser agricultores que exerçam atividade agrícola; Desenvolvam nas explorações agrícolas atividades de acordo com as CAE definidas no aviso, e que não sejam de produção, transformação ou comercialização de produtos agrícolas; Contribuam diretamente para a manutenção ou melhoria do rendimento do agregado familiar, a fixação da população, a ocupação do território e o reforço da economia rural.   

    Para a elaboração das candidaturas é importante consultar o site da AD ELO www.adelo.pt, onde poderão ser obtidas toadas as informações necessárias à preparação dos projetos.   

    Cantanhede, 26 de outubro de 2016  

  • NOTA de Imprensa: Primeiros concursos DLBC/Rural- LEADER AD ELO
    3 Milhões de Euros de investimento candidatados

    A AD ELO - Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego, na qualidade de entidade Gestora do DLBC/Rural LEADER AD ELO encerrou os primeiros dois concursos tendo recebido 61 projetos com mais de 3 milhões de euros de investimento total. Os 2 concursos encerrados, inseridos no programa Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC) na sua vertente rural e referentes às tipologias de apoio aos "Pequenos Investimentos na Exploração Agrícola" e na "Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas", receberam candidaturas de agentes económicos do território de intervenção que integra os concelhos de Cantanhede, Figueira da Foz, Mira, Mealhada, Montemor-o-Velho e Penacova. O nível de adesão aos concursos foi bastante elevado tendo ultrapassado em 60% a dotação pública disponível, revelando assim que o sector agrícola, neste território de intervenção, se revela bastante dinâmico ao nível do investimento na produção, transformação e comercialização dos seus produtos.

    Com estes projetos a AD ELO dá cumprimento aos objetivos da Estratégia de Desenvolvimento Local abrangida pelo DLBC/Rural - LEADER AD ELO, que, com apoio do "Portugal 2020" nomeadamente dos Programas Operacionais - PDR2020 e Centro 2020, preconiza para o território a concretização de uma cultura empresarial de base local, contribuindo para a consolidação das empresas e do emprego.   

    Cantanhede, 14 de setembro de 2016

  •  

    A AD ELO é responsável pela implementação do +CO3SO Emprego no seu território de intervenção (Cantanhede, Figueira da Foz, Mealhada, Mira, Montemor-o-Velho e Penacova). O “+CO3SO Emprego” - Sistema de Apoio ao Emprego e ao Empreendedorismo, tem como objetivo principal o apoio à criação de postos de trabalho para as entidades da economia social e para as Micro, Pequenas e Médias empresas.

    A Intervenção do +CO3SO Emprego é da responsabilidade dos Grupos de Ação Local (GAL) no âmbito das Estratégias de Desenvolvimento Local. Este trabalho insere-se num vasto conjunto de apoios disponibilizados em torno da figura do Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC). A AD ELO implementa no território de intervenção duas iniciativas com orientações distintas, DLBC/Rural LEADER AD ELO e DLBC/Costeiro Mondego Mar, que permitiram a abertura de diversos Avisos de Concurso.

    A apresentação de candidaturas subjacentes a 5 Avisos de Concurso, decorreu entre julho e novembro de 2020 e resultou na apresentação de 115 candidaturas num valor superior a 12 milhões de euros de apoio público. Tendo em conta que a AD ELO tinha disponível nos seus avisos cerca de 2 milhões de euros concluímos que a procura foi 6 vezes superior às dotações iniciais.

    Após o período de análise e verificação das condições de elegibilidade, a AD ELO terminou este processo com a emissão de 78 propostas de parecer favorável correspondendo à criação de 148 postos de trabalho.

    O valor total das propostas ultrapassa largamente as dotações existentes nos avisos, correspondendo a um apoio público superior a 8 milhões de euros.

    Considerando a importância da criação deste número elevado de postos de trabalho, aguarda-se a atribuição pela Autoridade de Gestão de um reforço de dotação substancial que permita a contratação do maior número possível de projetos, correspondendo assim à expetativa e resiliência dos agentes económicos locais.

     

    AD ELO, Cantanhede, 29 de janeiro de 2021

  •  

     A AD ELO é responsável pela implementação da abordagem territorial "DLBC/Rural - LEADER AD ELO" no seu território de intervenção (Cantanhede, Figueira da Foz, Mealhada, Mira, Montemor-o-Velho e Penacova).

    Em fevereiro de 2021 terminou a análise do aviso de concurso, aberto em 2020, que tinha como objetivo o apoio a projetos que promovessem a recuperação, conservação e valorização de elementos patrimoniais locais e que se integrava na medida DLBC/Rural PDR 2020 “Renovação de Aldeias”.

    Nesse processo de decisão o seu Órgão de Gestão aprovou 11 projetos que totalizam cerca de 1 milhão de euros de investimento, mobilizando quase 800 mil euros de apoio comunitário.

    Tendo como objetivo o apoio a pequenos projetos, esta decisão de aprovação abrange todo o território de intervenção da AD ELO e engloba como beneficiárias associações locais e autarquias, em projetos de valorização do património como museus, moinhos, bem como a recuperação e reconversão de antigas escolas primárias desativadas para funções ligadas à cultura local.

    Estes projetos, embora de pequena dimensão assumem uma importância significativa para os seus promotores dado que raramente se encontram apoios que sejam adaptados a esta realidade.

    Na implementação do "DLBC/Rural LEADER AD ELO" defende-se a perspetiva que o território se constitui como o repositório de recursos, nas suas mais variadas formas e que as ações a desenvolver devem passar pela consciencialização que o património (natural, cultural e contruído) deve ser preservado, enquanto elemento de reforço da identidade local.

    Esta perspetiva de valorização e reforço da identidade local é assim materializada nos projetos aprovados, que entram assim na fase de execução para que brevemente estejam disponíveis para as comunidades locais.

    www.adelo.pt

     

    AD ELO, Cantanhede, 17 de fevereiro de 2021

  •  

     A AD ELO é responsável pela implementação da abordagem territorial "DLBC/Rural - LEADER AD ELO" no seu território de intervenção (Cantanhede, Figueira da Foz, Mealhada, Mira, Montemor-o-Velho e Penacova).

    Em fevereiro de 2021 terminou a análise do aviso de concurso, aberto em 2020, que tinha como objetivo o apoio a projetos que promovessem a recuperação, conservação e valorização de elementos patrimoniais locais e que se integrava na medida DLBC/Rural PDR 2020 “Renovação de Aldeias”.

    Nesse processo de decisão o seu Órgão de Gestão aprovou 11 projetos que totalizam cerca de 1 milhão de euros de investimento, mobilizando quase 800 mil euros de apoio comunitário.

    Tendo como objetivo o apoio a pequenos projetos, esta decisão de aprovação abrange todo o território de intervenção da AD ELO e engloba como beneficiárias associações locais e autarquias, em projetos de valorização do património como museus, moinhos, bem como a recuperação e reconversão de antigas escolas primárias desativadas para funções ligadas à cultura local.

    Estes projetos, embora de pequena dimensão assumem uma importância significativa para os seus promotores dado que raramente se encontram apoios que sejam adaptados a esta realidade.

    Na implementação do "DLBC/Rural LEADER AD ELO" defende-se a perspetiva que o território se constitui como o repositório de recursos, nas suas mais variadas formas e que as ações a desenvolver devem passar pela consciencialização que o património (natural, cultural e contruído) deve ser preservado, enquanto elemento de reforço da identidade local.

    Esta perspetiva de valorização e reforço da identidade local é assim materializada nos projetos aprovados, que entram assim na fase de execução para que brevemente estejam disponíveis para as comunidades locais.

    www.adelo.pt

     

    AD ELO, Cantanhede, 17 de fevereiro de 2021

  • O mês de fevereiro foi VirtuALL

     

    O Projeto VirtuALL (Simbiose entre Inovação, Envelhecimento e Qualidade de Vida), coordenado pela AD ELO e financiado pelo Portugal Inovação Social, através do Fundo Social Europeu, desenvolveu durante o mês de fevereiro de 2021 um conjunto de atividades em ambiente virtual tendo assim cumprido os seus objetivos.

    Contando com a participação de seis Investidores Sociais, que se constituem como verdadeiros parceiros ativos - os municípios de Cantanhede, Figueira da Foz, Mealhada, Mira, Montemor o Velho e Penacova, o projeto baseia a sua ação numa constante interação entre todos na procura das melhores soluções. Assim realizou-se em fevereiro a Reunião de Acompanhamento anual (2020) onde foi possível apresentar o trabalho realizado e definir as pistas estratégicas para as atividades a desenvolver durante o ano de 2021 em torno do objetivo principal do projeto que é a promoção do envelhecimento ativo, saudável e participativo, suportado por meios tecnológicos.

    No território destacamos ainda o retomar das sessões online VirtuALL, na procura de aproximar o projeto às pessoas, de que foi exemplo o ciclo de sessões junto da Santa Casa da Misericórdia da Mealhada, permitindo a atividade física, cognitiva, explorando os jogos dos Tablets, do PEPE e do Physiosensing.

    Procurando divulgar o projeto para além do nosso território o VirtuALL marcou presença no “5º Congresso de Envelhecimento Ativo: Atividade Física e Saúde”, promovido pelo Município de Viseu em parceria com a Escola Superior de Educação de Viseu e ACES Dão Lafões. Um dos principais objetivos deste evento centrou-se em dar continuidade à missão de refletir e debater acerca da problemática do Envelhecimento Ativo, dos desafios presentes e futuros, procurando partilhar e difundir boas práticas de promoção de estilos de vida mais saudáveis, participativos e de maior qualidade de vida. O Congresso que decorreu de 20 a 27 de fevereiro, em formato online, contou com a apresentação do VirtuALL no contexto de exemplo de uma boa prática em aplicação real junto da população.

     

    Porque o futuro é #VirtuALL.

  • Reunião da parceria do projeto de cooperação transnacional Green Economy - Multiple Use of Forest / Economia Verde - Uso Múltiplo da Floresta

    Partnership meeting of the transnational cooperation project "Green Economy - Multiple Use of the Forest"

     

    A parceria transnacional do projeto de cooperação "Green Economy - Multiple Use of Forest / Economia Verde - Uso Múltiplo da Floresta" reuniu online como o propósito de analisar o desenvolvimento das ações no quadro da crise pandémica. Esta parceria envolve associações de 4 países, Portugal, Finlândia, Suécia e Luxemburgo, na procura de experiências, projetos e empresas, enquanto exemplos de boas práticas na área da Floresta, onde a preocupação ambiental e económica coexista de forma positiva para a sua valorização.

    Em resposta ao estado de pandemia, que impede os contactos diretos entre os diversos países, a parceria estabeleceu novos procedimentos de contacto, privilegiando os ambientes virtuais, na procura da concretização do seu plano de ação, tendo-se perspetivado um prolongamento do prazo de execução das ações. Assim foi concertado entre todos os parceiros a realização de algumas ações de cooperação para o 3 trimestre de 2021, dependente ainda do desenvolvimento das condições pandémicas no espaço europeu.

    Este projeto de cooperação enquadra-se na Medida LEADER/DLBC e é apoiado pelo PDR2020 – Programa de Desenvolvimento Rural.

     

    Cantanhede, 2 de março de 2021

  • Parabéns LEADER (*)! 30 anos 1991-2021

    (*) Há acrónimos que ganham vida própria, neste caso vale a pena relembrar LEADER- Ligação Entre Ações de Desenvolvimento da Economia Rural

     

    Há 30 anos, com a aprovação pela Comissão das Comunidades Europeias (publicação a 19 de março de 1991) de uma “iniciativa, com valor demonstrativo, relativa ao desenvolvimento rural”, denominada LEADER, iniciou-se uma transformação societal nos territórios rurais da Europa, que já saltou fronteiras e é uma marca associada à qualidade de vida, à dignidade, à equidade e à democracia nas zonas rurais.

     

    Para celebrar esta data, a Federação Minha Terra e os Grupos de Ação Local (de que é exemplo a AD ELO) irão organizar durante o ano de 2021 um conjunto de iniciativas de reflexão e partilha sobre o Desenvolvimento Local em Portugal e preparar os próximos 30 anos do LEADER.

     

    Porquê?

    Porque acreditamos no LEADER!

     

    • Enquanto abordagem diferenciadora que deve estimular a conceção e implementação de projetos-piloto, o caráter inovador e demonstrativo, a integração dos agentes e a governança local;
    • Como forma exemplar de proximidade às comunidades; como método de envolvimento eficaz, conjugando interesses, anseios e expetativas locais; como as intervenções que, mesmo com dificuldades de implementação e crises conjunturais, permite aprendizagem constante e afeto territorial;
    • Quando observamos projetos que, com co-financiamentos reduzidos, criam emprego e dinamizam as economias locais nos mais diversos setores de atividade, suportam coletividades nas suas múltiplas ações a favor das comunidades, que revitalizam aldeias e vilas, qualificam espaços de encontro e de memórias locais;
    • E nas suas redes de ligação, de trabalho e de partilha de experiências, que se traduzem em iniciativas concretizadas em cooperação e parceria com outros territórios e organizações, promovendo ganhos de escala e/ou complementaridades, mas também afetos, amizades e compreensão e tolerância com a diferença;
    • Como metodologia que se reforça, se renova e se recria e que, como tal, nos lança permanentemente novos desafios como os dos impasses programáticos, dos afunilamentos regulamentares, das perspetivas setorializadas, que limitaram a criatividade e inovação das comunidades e nos territórios.

     

    30 anos volvidos continuamos a acreditar no LEADER – com a maturidade e experiência que o tempo e ação nos foi conferindo – centrado e próximo das PESSOAS e das COMUNIDADES, a trabalhar para o Desenvolvimento dos TERRITÓRIOS.

     

    Para sinalizar esta comemoração, partilhamos um logótipo comemorativo ‘LEADER 30 anos PORTUGAL’:

    “Criado pela designer Margarida Cardoso com suporte na imagem inicial e oficial do Programa de Iniciativa Comunitária LEADER, o logotipo mantém proximidade à paleta de cores primitiva, mas conferindo mais vigor e brilho ao amarelo que simboliza o sol que fertiliza o solo; incorpora a semente a germinar original, que evolui para os ramos que representam as árvores que, entretanto, cresceram e frutificaram, numa alusão metafórica ao desenvolvimento dos territórios. As datas constituem referência ao marco histórico que este ano se celebra também em Portugal, um dos 12 países onde o LEADER começou em 1991.”

    MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local

    AD ELO, Cantanhede, 19 de março de 2021

  •  

    VirtuALL -  orador na 3ª Edição do Simpósio Interações

     

    O VirtuALL marcou presença na 3ª Edição do Simpósio Interações, integrando a 14º Sessão, subordinada ao tema “Consumo e novas oportunidades na Economia Grisalha”.

    Este evento online é organizado pela Unidade de Missão “Lisboa Cidade de Todas as Idades” e procura reunir, ao longo de 16 sessões temáticas, “um conjunto de académicos, investigadores, decisores, empreendedores e outros especialistas na área da longevidade e do envelhecimento, com a finalidade de debater os desafios que se colocam à promoção de uma sociedade para todas as idades.”

    No dia 21 de abril de 2021, pelas 14h45, Mónica Sousa, Coordenadora do VirtuALL, foi uma das oradoras convidadas, cuja intervenção se focalizou no Projeto VirtuALL (Simbiose entre Inovação, Envelhecimento e Qualidade de Vida) - POISE-03-4639-FSE-000299.

    No painel dessa 14º Sessão integrou o Filipe Almeida, Presidente da Estrutura de Missão Portugal Inovação Social, a entidade que financia, em conjunto com os Investidores Sociais (Municípios de Cantanhede, Figueira da Foz, Mealhada, Mira, Montemor-o-Velho e Penacova), o Projeto VirtuALL.

    Pode rever esta sessão em: https://lnkd.in/eYhV_DT

    AD ELO, Cantanhede, 21 de abril de 2021

  • “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico” - Criação de um “Geoparque” no território de intervenção da AD ELO

     

    No 21 de abril de 2021, na Figueira da Foz, junto do Cabo Mondego, realizou-se a cerimónia de assinatura do documento: “Manifestação de interesse junto da UNESCO” / “Memorando de entendimento” que formaliza a criação do “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico”.

    Este momento simbólico foi presidido pela Excelentíssima Senhora Ministra da Coesão Territorial, Professora Doutora Ana Abrunhosa, o que muito engrandeceu o ato, projetando-o como um exemplo de Coesão Territorial ao envolver os parceiros locais em torno de objetivos de desenvolvimento.

    A AD ELO - Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego e os municípios de Cantanhede, Figueira da Foz, Mealhada, Mira, Montemor-o-Velho e Penacova, acordaram entre si o interesse na constituição, neste território de intervenção, de um “Geoparque” denominado “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico” que venha futuramente a ser reconhecido e integrado na rede de “Geoparques Mundiais da UNESCO”.

     Para ser considerado como “Geoparque Mundial da UNESCO” o território deverá ter uma área geográfica significativa, mas singular e unificada, que possua importantes recursos geológicos (geossítios) de importância nacional e internacional. Por outro lado, deve existir uma estrutura de gestão local que, possuindo uma estratégia de desenvolvimento, privilegie a proteção dos recursos geológicos, mas que aposte num processo de educação e desenvolvimento sustentável afirmando os três princípios de um Geoparque – Geoconservação, Geoeducação e Geoturismo.

     Foi ainda decidido que a AD ELO assumirá a responsabilidade de implementação e gestão do Geoparque. O território de intervenção da AD ELO, correspondendo aos 6 municípios, reúne em si todas estas características fundamentais para o futuro reconhecimento, das quais se destaca:

    • a existência de uma linha cronológica de um período de cerca de 500 MILHÕES DE ANOS DE GEO-HISTÓRIA, assente numa rede Geosítios de importância nacional e internacional - do “Cabo Mondego” (um GSSP à escala global - Global Boundary Stratotype Sections and Points) à “Livraria do Mondego”;
    • existência de uma rede de recursos culturais de importância assinalável, como “Castelo de Montemor-o-Velho, o Museu da Pedra, o Museu do Território da Gândara e a Mata do Buçaco”.

    Todos estes recursos serão integrados em rede sob a referência do “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico”, criando-se um produto turístico diferenciador, assente nos princípios da preservação e valorização do património local.

    Foi ainda assinada, por todos os parceiros, a carta a enviar à Comissão Nacional da UNESCO com a manifestação de interesse em apresentar uma candidatura ao reconhecimento do “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico” na categoria de “Geoparque Mundial da UNESCO” e assim solicitar, de imediato, a atribuição a este processo da figura de “Aspirante a Geoparque” (Aspiring Atlantic Geopark).

     O reconhecimento futuro pela UNESCO parte do pressuposto de que no território estas dinâmicas já se encontram consolidadas, tendo assim sido igualmente aprovado um plano de trabalho a médio prazo que implica um conjunto de ações de levantamento ao nível de todo o território sobre os recursos (existentes ou a criar) que venham a ser integrados na rede do “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico”.

     

    Atlantic Geopark

    Geoparque do Atlântico

     

    500 milhões de anos de Geo-História

    A abertura do Oceano Atlântico

     

    AD ELO, 21 de abril de 2021

  • “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico” - Criação de um “Geoparque” no território de intervenção da AD ELO

     

    No 21 de abril de 2021, na Figueira da Foz, junto do Cabo Mondego, realizou-se a cerimónia de assinatura do documento: “Manifestação de interesse junto da UNESCO” / “Memorando de entendimento” que formaliza a criação do “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico”.

    Este momento simbólico foi presidido pela Excelentíssima Senhora Ministra da Coesão Territorial, Professora Doutora Ana Abrunhosa, o que muito engrandeceu o ato, projetando-o como um exemplo de Coesão Territorial ao envolver os parceiros locais em torno de objetivos de desenvolvimento.

    A AD ELO - Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego e os municípios de Cantanhede, Figueira da Foz, Mealhada, Mira, Montemor-o-Velho e Penacova, acordaram entre si o interesse na constituição, neste território de intervenção, de um “Geoparque” denominado “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico” que venha futuramente a ser reconhecido e integrado na rede de “Geoparques Mundiais da UNESCO”.

     Para ser considerado como “Geoparque Mundial da UNESCO” o território deverá ter uma área geográfica significativa, mas singular e unificada, que possua importantes recursos geológicos (geossítios) de importância nacional e internacional. Por outro lado, deve existir uma estrutura de gestão local que, possuindo uma estratégia de desenvolvimento, privilegie a proteção dos recursos geológicos, mas que aposte num processo de educação e desenvolvimento sustentável afirmando os três princípios de um Geoparque – Geoconservação, Geoeducação e Geoturismo.

     Foi ainda decidido que a AD ELO assumirá a responsabilidade de implementação e gestão do Geoparque. O território de intervenção da AD ELO, correspondendo aos 6 municípios, reúne em si todas estas características fundamentais para o futuro reconhecimento, das quais se destaca:

    • a existência de uma linha cronológica de um período de cerca de 500 MILHÕES DE ANOS DE GEO-HISTÓRIA, assente numa rede Geosítios de importância nacional e internacional - do “Cabo Mondego” (um GSSP à escala global - Global Boundary Stratotype Sections and Points) à “Livraria do Mondego”;
    • existência de uma rede de recursos culturais de importância assinalável, como “Castelo de Montemor-o-Velho, o Museu da Pedra, o Museu do Território da Gândara e a Mata do Buçaco”.

    Todos estes recursos serão integrados em rede sob a referência do “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico”, criando-se um produto turístico diferenciador, assente nos princípios da preservação e valorização do património local.

    Foi ainda assinada, por todos os parceiros, a carta a enviar à Comissão Nacional da UNESCO com a manifestação de interesse em apresentar uma candidatura ao reconhecimento do “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico” na categoria de “Geoparque Mundial da UNESCO” e assim solicitar, de imediato, a atribuição a este processo da figura de “Aspirante a Geoparque” (Aspiring Atlantic Geopark).

     O reconhecimento futuro pela UNESCO parte do pressuposto de que no território estas dinâmicas já se encontram consolidadas, tendo assim sido igualmente aprovado um plano de trabalho a médio prazo que implica um conjunto de ações de levantamento ao nível de todo o território sobre os recursos (existentes ou a criar) que venham a ser integrados na rede do “Atlantic Geopark” - “Geoparque do Atlântico”.

     

    Atlantic Geopark

    Geoparque do Atlântico

     

    500 milhões de anos de Geo-História

    A abertura do Oceano Atlântico

     

    AD ELO, 21 de abril de 2021

  •  Boas Práticas caracterizam o mês de maio do VirtuALL (2 eventos a destacar)

    No contínuo trabalho de divulgação para além do seu território de intervenção, o Projeto VirtuALL durante o mês de maio participou em dois eventos que importa assinalar:

    No passado dia 21 de maio de 2021, pela voz da sua coordenadora, a Mónica Sousa, o Projeto VirtuALL participou no Webinar "Literacia em Saúde" do VIII Fórum da Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis (RPMS). Poderá rever esta participação em https://www.facebook.com/Rede-Portuguesa-de-Munic%C3%ADpios-Saud%C3%A1veis-2285705885015070/videos/806791013576116/. Este Fórum constitui-se como um dos eventos mais expressivos desta associação de municípios e a sua Oitava Edição decorre entre janeiro e junho de 2021, contando com a realização de 6 Webinars Temáticas que estão enquadrados com os 6 Pilares da VII Fase da Rede Europeia de Cidades Saudáveis da OMS.

    O Município da Figueira da Foz, Investidor Social do projeto VirtuALL, integra a RPMS e elegeu este projeto para ser apresentado como uma Boa Prática. Assim, de entre várias candidaturas apresentadas no VIII Fórum da RPMS, o projeto VirtuALL foi reconhecido como uma boa prática em "Literacia em Saúde". Pode consultar esta informação em http://redemunicipiossaudaveis.com/files/iniciativas/webinar_literacia_em_saude_-_livro_de_boas_praticas_622.pdf  

     

    No dia 25 de maio de 2021, tendo como objetivo dar a conhecer iniciativas e projetos de boas práticas (nacionais e europeias) no âmbito da melhoria da qualidade de vida da população idosa, o projeto VirtuALL levou a cabo um VirtuALL Talks Online dedicado ao tema: “Projetos: Olympics4all, In Common Sports e In Common Sports +” com a Dra. Manuela Ferreira, coordenadora dos projetos, do Município de Vila Nova de Cerveira. 

    Esse VirtuALL Talks Online contou com a presença dos Municípios de Cantanhede, Castro de Daire, Mealhada, Mira, Montemor-o-Velho, Penacova e Vouzela. Todos/as os/as participantes enalteceram a iniciativa e reforçaram que estes momentos de extensão do conhecimento e de partilha de boas práticas são importantes para novas perspetivas e até para o desenvolvimento de novos projetos. O projeto VirtuALL reforçou a disponibilidade para abraçar novos desafios e mostrou-se disponível para, em conjunto com os Investidores Sociais, conhecer in loco os projetos apresentados no VirtuALL Talks Online.

    AD ELO, Cantanhede, 26 de maio de 2021

  • A Câmara de Penacova e a AD ELO - Associação de Desenvolvimento Local da Bairrada e Mondego promoveram, no concelho, uma reunião, com os promotores dos 7 projetos de empesas de Penacova aprovados no âmbito do aviso “+CO3SO Emprego Interior” integrado no DLBC/Rural LEADER AD ELO. Os projetos de empresas de Penacova estão associados à criação de 15 postos de trabalhos, num apoio superior a 850 mil euros financiados no âmbito do Fundo Social Europeu (CENTRO 2020).

    A sessão de trabalho teve o objetivo de contextualizar os apoios e apresentar os procedimentos de gestão e implementação dos projetos que se encontram em execução, havendo oportunidade de troca de informações entre as diferentes empresas, criando-se assim sinergias locais. De salientar que as empresas aprovadas desenvolvem atividades na área do turismo (alojamento, restauração e serviços de animação turística), produção de produtos locais, serviços energéticos e outros ligados à construção civil.

    Durante o encontro, em que ficou clara a necessidade de se encontrarem mecanismos de financiamento que possibilitem o apoio as estas empresas que são muito importantes num contexto de retoma da economia local já que é uma evidência a inexistência de recursos para todos os projetos devido à sua procura elevada, Humberto Oliveira, Presidente da autarquia, salientou a importância destes projetos para a economia local já que representam os sectores básicos de suporte à sua consolidação, garantindo níveis de emprego fundamentais para os territórios rurais. Na sua intervenção referiu igualmente que o Município tem vindo a desenvolver condições para a fixação desta tipologia de empresas no território, apoiando-as, nomeadamente, na procura que fazem destes sistemas de apoio. Neste âmbito, Humberto Oliveira, destacou a importância dos Grupos de Ação Local que, numa lógica de proximidade possibilitam a aprovação dos projetos em consonância com as estratégias locais.

    As empesas de Penacova que promoveram os 7 projetos aprovados no âmbito do aviso “+CO3SO Emprego Interior” integrado no DLBC/Rural LEADER AD ELO, são:

    • FUMEIRO DO MONDEGO, LDA
    • GET IT OUT - ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS E FORMAÇÃO UNIPESSOAL LDA
    • LAVENDER TREASURES - UNIPESSOAL LDA
    • MEDRONHALVA, LDA
    • RELATOS & MEMÓRIAS LDA
    • RENINSTAL, UNIPESSOAL LDA
    • TRILHOS ENERGÉTICOS - SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS, UNIPESSOAL LDA

    Penacova, 25 de maio de 2021

  •  

    Em 2021 comemora-se o aniversário dos 30 anos da criação do Programa LEADER, responsável pelo desenvolvimento das áreas rurais da União Europeia, e que é hoje assegurado por uma rede de GAL que já ultrapassa as 3 100 parcerias locais e que cobre cerca de dois terços de toda a população rural da UE. Em Portugal, o LEADER é implementado por 60 GAL, todos incluídos na rede da Federação Minha Terra. A AD ELO é um desses 60 GAL que, numa lógica de proximidade, implementa a Abordagem LEADER no seu território de intervenção desde 1994.

    Durante o ano de 2021, a Federação Minha Terra organizará um conjunto de iniciativas, em parceria com a rede de associadas, para refletir sobre o LEADER, com base na experiência e exemplos concretos e perspetivar o trabalho futuro em favor do desenvolvimento integrado dos territórios rurais e da coesão territorial. A primeira destas iniciativas decorre a 9 de junho, no quadro das atividades da Feira Nacional de Agricultura.

    O webinário, com o tema "LEADER: Desenvolvimento Rural Integrado para a Coesão Territorial" e que decorrerá a partir das 16h30, contará com intervenções de Maria do Céu Antunes, Ministra da Agricultura e de Isabel Carvalhais, Deputada ao Parlamento Europeu, às quais se seguirão dois painéis, o primeiro com testemunhos dos 30 anos do LEADER, de José Mota Alves, do GAL ATAHCA e Maria João Botelho, da APRODER e o segundo com exemplos de projetos apoiados no âmbito da abordagem.

    A sessão de encerramento estará a cargo de Ana Paula Xavier, Presidente da Direção da Federação Minha Terra.

     O evento será transmitido em direto através da página Facebook da Federação, disponível aqui:

    https://www.facebook.com/MinhaTerra.FMT

     

    Conheça o programa e mais informações no site da Minha Terra: https://www.minhaterra.pt

    Cantanhede, 7 de junho de 2021

  •  

    No dia 4 de junho, o Encontro de Empresári@s e Dirigentes do concelho de Montemor-o-Velho voltou a criar sinergias e a promover uma rede de contactos, de partilha e aprendizagem, reunindo mais de 120 empresas.

    A terceira edição deste encontro promovido pelo projeto iMontemor4G (Programa CLDS de 4ª geração), realizada de forma presencial e seguindo as regras definidas pela DGS, refletiu um olhar atento sobre as vicissitudes da pandemia e o seu impacto no tecido empregador concelhio, e deu, verdadeiramente, ao pedal, ao trabalhar os níveis de motivação e fomentar a proatividade e a produtividade.

    Desafiador e surpreendente, Jorge Sequeira agitou os participantes com uma palestra positiva que arrancou gargalhadas e abordou as questões da autoconfiança, dinamismo, otimismo, inovação, flexibilidade e superação pessoal.

    Para o Presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Velho, “hoje é um dia importante pois voltamos a ter este encontro que é um espaço fundamental para que as nossas empresárias e os nossos empresários continuem resilientes, proativos e sonhadores". "O Município de Montemor-o-Velho tudo fará para que tenham sucesso, para que sejam maiores, para que prosperem, criem emprego e engrandeçam ainda mais o nosso concelho", reforçou Emílio Torrão.

    Mário Fidalgo, da ADELO, acredita que "trabalhando em parceria conseguimos ir mais longe" e este encontro "pode potenciar futuros negócios que consolidem, de forma sustentável, as empresas do concelho". Elogiando o sucesso do encontro, José Guerra, da Associação Fernão Mendes Pinto, lançou o desafio para "que este seja o primeiro passo para a dinamização da ansiada associação empresarial".

    Bastante satisfeita com a “adesão ao 3º encontro de Empresári@s e Dirigentes”, Lília Matias, coordenadora do IMontemor4G, sublinhou: “Este foi um momento para trabalhar os níveis de motivação, dar a conhecer estratégias para motivar equipas e colaboradores/as, para fomentar a proatividade e consequentemente promover a produtividade”.

     

    Montemor-o-Velho 4 de junho de 2021